fbpx

Existe uma organização secreta de mulheres chamada “Tear dos sonhos“, onde cada mulher dá o próprio dinheiro para realizar o sonho de uma escolhida. Em cada ciclo, uma nova mulher sobe ao posto de receptora, e ninguém soltaria a mão de ninguém. Porém, para entrar, é preciso ser convidada por alguém que já esteja dentro do modelo. Para efetivar sua entrada precisa dar um “presente” de R$5 mil à receptora, e assinar um contrato de doação.

Na reunião inicial de esta aparente utopia da sororidade, ao apresentar a organização para novas membros, assuntos e experiências que incluem solidão, desigualdades de gênero, abuso, violência de gênero, mães solteiras e dívidas, são citados repetidas vezes com a intenção de gerar empatia.

Essa velha e conhecida estratégia utilizada em seitas e cultos, inclui a escolha de um público com certas características:

  • Vulnerabilidade
  • Idealismo
  • Solidão
  • Baixa autoestima

No entanto, essas características não são exclusivas de um grupo de mulheres social e / ou economicamente vulneráveis. Temos aqui padrões em massa que se repetem e que vêm afetando sociedades, governos e corporações em grande escala.

Em uma análise do jornal The Guardian sobre os tumultos e crises atuais, é traçado um perfil daqueles que protestam. Todos eles vulneráveis e idealistas.

A solidão é a praga do século XXI, escreve Vicente Verdú para o El País, e a baixa autoestima é gerada e incentivada pelas redes sociais que comparam uma realidade fantasiosa dos outros com nós mesmos.

Temos um coquetel em massa e perfeito para qualquer tipo de manipulação política, corporativa, ou qualquer movimento ou grupo com desejo de poder.

Como evitar ou diminuir as chances de cair nas armadilhas em massa?

  1. Expandir a variedade de grupos dos quais fazemos parte: diferentes visões políticas, sociais, etc. Ficar fechado a um tipo de ideologia nos isola de qualquer outro pensamento, movimento, deixando-nos ignorantes do que está acontecendo ao nosso redor;
  2. Seja informado de várias fontes: não há fonte de informação que possua uma verdade absoluta. Quanto mais variadas, melhor. Conhecendo a origem e os interesses das fontes, ficamos melhor posicionados em relação à nossa visão e opinião;
  3. Estabeleça metas claras e factíveis, seja no pessoal como no profissional, independentemente da sua situação atual: trace o hoje e o amanhã claramente. Mantenha a mente focada;
  4. Desaprender e aprender habilidades e conhecimentos: o presente e a velocidade com que o futuro se apresenta exigem que mantenhamos nossa mente dotada de novos conhecimentos e habilidades;
  5. Pratique esportes ao ar livre, contato com a natureza e alimentação saudável: isto certamente aumenta a autoestima, a felicidade e a saúde física e mental;
  6. Participe de comunidades, seja por um hobby, esporte ou qualquer atividade que incentive a troca de experiências e ideias;
  7. Aumente e expanda a conscientização: converse com seus amigos, familiares e colegas de trabalho sobre estes assuntos.

Estamos testemunhando uma pandemia de vulnerabilidade emocional e social que podemos aplacar com pouco esforço, expandindo nossa consciência, e praticando no nosso dia-a-dia.

Compartilhe este artigo:
Cris Ljungmann

Cris Ljungmann

Cris é uma apaixonada pelo ser humano, com formação em Antropologia Social e uma forte ênfase nas áreas cultural e social. Incansável viajera pelo mundo, combina seus mais de 15 anos de experiência no ensino desenvolvimento humano, a uma fervente paixão pelo esporte aventura, meditação, arte e vida saudável. Ver perfil completo >>

Ver mais conteúdos

Deixar um comentário